Benjamin Teixeira
pelo espírito
Eugênia.

“Se Deus é por nós, quem será contra nós?”

(Romanos, 8:31)

Quando estiver se sentindo cercado pela força do mal, lembre-se de que Jesus disse que enviava seus discípulos como cordeiros ao meio de lobos, mas que Ele os guardaria mesmo assim. Portanto, quando em tais circunstâncias se notar inserido, seja por pressentimentos ou por percepção concreta, vendo o sítio do mal em torno de si e dos projetos e realizações que a Divina Providência lhe confiou, ore um tanto mais, asserene-se um tanto mais, redobre a vigilância, mas, principalmente, não pare, por motivo algum, as atividades que concernem à tarefa que o Senhor lhe delegou.

O mal constitui uma mera ausência do bem. Assim, se o mal se aproxima de você, está sendo você convidado a reforçar a presença do bem em seu coração, já que, talvez, sem esse convite, você se perdesse entre os tentáculos sinistros dos agentes das trevas. Mas, de qualquer forma, não se esqueça do aviso do Mestre de não turbar o próprio coração, de não se deixar envolver, por motivo algum, nas sugestões macabras do medo, porque isso, sim, configuraria, de fato, uma vitória do mal.

Hoje, sente-se enovelado pelos vaticínios sombrios das forças contrárias a Deus. Entrementes, pode outrossim se lembrar da mensagem confortadora de Paulo, em sua carta aos cristãos de Roma, perseguidos por horrenda e implacável sanha assassina: “Se Deus é por nós, quem será contra nós?”

(Texto recebido em 7 de abril de 2004, 1971o aniversário de morte de Nosso Senhor Jesus, conforme registros da administração Romana: 07.04.33)