Benjamin Teixeira
pelo espírito
Eugênia.

Ante a aluvião de sentimentos que toma seu coração, verifique, primeiramente, se está na ordem do dia com suas obrigações morais, se está cumprindo seus deveres espirituais, se está dando conta de compromissos e responsabilidades diversas com pessoas, instituições e outras obrigações familiares. Se não está fugindo aos seus deveres, não há por que assustar-se tanto, e condenar, a priori, o que lhe vem, talvez, como presente do Céu, na condição de estímulo ao seu trabalho e ao reto e completo desdobramento das atividades que lhe foram confiadas.

Por outro lado, ore. Em meio a uma inundação oceânica de emoções, facilmente as pessoas se equivocam. E, obviamente, é possível que você esteja sendo envolvido por agentes das trevas, na intenção de engabelá-lo, seduzi-lo e desencaminhá-lo; tanto quanto, de reversa maneira, pode estar sendo abençoado por uma Força Maior, que lhe venha em socorro ao coração sofrido, no esforço de fazer o bem. Sendo assim, reforce seu contato com o Divino, por todos os meios que conheça, e, sem pressa, deixe ao tempo o encargo de esclarecer o que se passa, com maior nitidez.

Mas, de pronto, não espere fugir à tensão dos contrários. Há pessoas que se rendem, de roldão, ao transbordamento de paixões e impulsos que lhe espocam na alma; e outras, de modo inverso, que se travam totalmente, com medo de experienciar o novo, perder o que conquistaram e “perder o juízo”. As primeiras, de fato, põem em risco patrimônios, realizações, relacionamentos e valores que conquistaram arduamente, no correr de anos de trabalho e empenho; mas as segundas fazem algo não menos sério e auto-destrutivo: congelam a alma, perdem a alegria de viver, tornando-se amargas, invejosas, mesquinhas e arrogantes. Permita-se viver a tensão dos pólos opostos. O novo nível de consciência surge da fusão dos pólos contrários, elaborados numa síntese dialética, e não da elisão de um deles, o que seria repressão e adoecimento da alma. Suporte a tensão com equilíbrio, bom senso e calma, esperando que a fusão “aconteça”, já que, de fato, você não tem como dirigir aquilo que foge ao seu nível de compreensão, justamente por se tratar do advento de um novo nível de entendimento, avaliação e significação da vida, por resultado desse profundo e intenso processo psico-espiritual.

Por fim, esteja em paz. Ainda que se trate de força diabólica a azucrinar-lhe o coração de homem (mulher) de bem, constitui isso ainda uma dádiva do Céu, pois que está você sendo convidado a galgar um novo patamar de maturidade psicológica, que, necessariamente, desdobra-se em forma de maior tolerância à ambigüidade, e na capacidade de enxergar significado e finalidade onde, aparentemente e à primeira vista, afigurava-se haver apenas o caos. Como nos dizeres da matemática: há “uma ordem implícita na desordem, num estágio mais avançado de complexidade”, podemos tranqüilamente asseverar, que você está sendo presenteado pela Vida, em nome de Deus.

(Texto recebido em 6 de outubro de 2004.)