A oração, a meditação e a intuição, quando lastreadas no espírito de gratidão, serenidade e entrega confiante à Sabedoria e Bondade Infinitas de Deus, constituem exercícios que compõem o capítulo fundamental de conexão com a Faixa Sublime de Consciência, a que aludiu o Cristo Verbo Jesus ao recomendar a Seus(Suas) discípulos(as): “Olhai (intuição), vigiai (meditação) e orai, para não cairdes em tentação”.¹

Por 1/4 de hora ao menos, todos os dias, dedique-se, filho(a) amado(a), a essa tão nobre quanto capital tríade de funções disciplinares da alma, de modo inquestionável e estoico, como o faz em relação a compromissos de trabalho, de estudo ou de cuidados com familiares próximos(as), quais crianças, enfermos(as) ou velhinhos(as) queridos(as).

Lembre-se, dentro da basilar temática, do alerta severo do Mestre Supremo aos três apóstolos que Ele convidara a acompanharem-n’O em vigília mais intensa de orações, no Horto das Oliveiras: “Nem por uma hora pudésseis estar comigo?”²

Depois do tempo reservado, no início do dia, à prática fundamental de “sobrevivência” do espírito – o oxigênio da inspiração da Fonte da Vida –, busque, quanto possível, passar todo o restante de suas horas, em qualquer ocupação que seja, reportando-se intimamente à Divindade e aos postulados excelsos que d’Ela promanam: de fraternidade e de serviço a seus irmãos e irmãs em humanidade.

Assim, mesmo que sofrendo as naturais e inevitáveis quedas da condição humana, viva, paulatina mas progressivamente, em estado contínuo de prece e solidariedade, meditação e ação no bem, intuição e descoberta de finalidades benevolentes, em tudo o que faça, com quem esteja, onde quer que se encontre…

Benjamin Teixeira de Aguiar (médium) e
Eugênia-Aspásia (Espírito)
em Nome de Maria Cristo
Bethel, CT, região metropolitana de Nova York, EUA
13 de janeiro de 2021


1. Fusão das passagens exaradas nos Evangelhos de Marcos, 13:33, e Mateus, 26:41.
2. Mateus, 26:40.