Benjamin Teixeira de Aguiar
pelo Espírito EUGÊNIA.

A confusão lhe tolda horrivelmente o raciocínio? A opinião de pessoas abalizadas ou de sua confiança, queridas ou muito respeitadas, o(a) deixa embaralhado(a) e sem norte?

Bem, é o momento de se conduzir pelo único guia infalível: sua consciência, como representante máxima de Deus.

Sim, é possível que todo o mal-estar provenha de resistência primitiva ao progresso, de preconceito mesquinho ante o novo e o melhor, mas, por outro lado, perigos horrendos amiúde se escondem por detrás de sofismas bem-elaborados, tentando engabelar a criatura, por meio de seduções venais, capciosas.

É a hora, meu (minha) filho(a), de se fiar em Deus, o Caminho dos caminhos, a Força da forças, a Luz das luzes. Religiões matam em nome d’Ele, médiuns famosos e guias espirituais podem se enganar ou ser mal interpretados, pais caem em erros crassos, amigos se equivocam medonhamente. Deus, porém, nunca sai da reta linha do acerto absoluto: nós é que devemos nos empenhar em ler-Lhe, mais fidedignamente, os avisos inalteravelmente perfeitos.

Assim, amigo(a), nesse período de tanta balbúrdia, busque refletir, orar e, sobremaneira, entregar-se, por dentro, de modo irrestrito, verdadeiramente, nos braços de Deus. Talvez, dessarte, depois de passado todo o pandemônio que hoje o(a) aturde, você perceba, tão somente, que estava sendo testado(a) para encontrar o Divino plenamente, recebendo o maior e mais espetacular convite de toda sua vida: de mergulhar no oceano sem bordas de Sua Infinita Bondade.

(Texto recebido em 31 de outubro de 2002.)