Benjamin Teixeira
pelo
Espírito Eugênia.

Não tenha medo: Deus é Amor. Tudo acontece para o seu bem, ainda que agora isso não esteja claro. Só pode ser para o seu bem, já que Deus é Deus e que, portanto, Sua Infinita Inteligência e Amor Perfeito só podem tudo permitir apenas para o bem de Suas criaturas, ou não seria o Absoluto que é. Se não compreende, no momento que passa, os motivos da dor que o confrange, aguarde, pacientemente, por instante oportuno, em que as finalidades sagradas de bem-aventurança far-se-ão óbvias.

Somos, ainda, a criança pequenina que se amargura pela obrigatoriedade de ir à escola, sem alcançar a importância de fazê-lo, amiúde com raiva da mãezinha generosa que nos conduz ao colégio, à revelia de nossa vontade e sob os protestos mais ingratos de nossa parte. Deus é essa Mãe Boa e Justa que não quer propriamente ser amada, mas fazer o bem de Seu rebento. Somos o bebezinho rebelde que, cheio de presunções loucas, supõe-se em condições de julgar os Desígnios do Ser Supremo do Universo.

Claro que podemos e devemos lutar por resolver nossos problemas – é esta, inclusive, a razão de as dificuldades existirem: estimular-nos a desenvolver novas capacidades de resolução, incitar-nos a expandir potenciais ainda em latência. Mas chega sempre o momento em que abrimos falência de nós mesmos, pela completa impossibilidade de seguir, confrontados com a impenetrabilidade de certas barreiras de limite pessoal que ainda portamos. É a hora da crise, da angústia, da sensação de impotência, de desamparo cósmico, do vazio… Todavia, quando mais intensa se faz a treva em torno e por dentro de nós próprios, mais poderosos, em verdade, são os revérberos da Luz Divina, que nos quer repletar com Sua Graça Inesgotável…

Quando tudo parece perdido, Deus planta sementes de felicidade, em níveis ainda não acessíveis à compreensão atual.

Não existem motivos para você se angustiar. O Universo é um lugar seguro. Todo o cosmo é o útero da Deusa-Mãe, e o plasma que o permeia é o líquido amniótico de Sua Infinita Bondade.

Sendo assim, por que temer? É hora de se libertar do sofrimento, e decidir-se pela felicidade.

O que você está esperando? Ter certeza de alguma coisa? Pagar alguma dívida, pecuniária ou moral? Lutar por uma conquista que talvez não seja o que você realmente quer? O que justifica o adiamento de sua felicidade?

Seja fraterno hoje. Felicite-se agora. Faça tudo que pode de bom por si e pelos outros, a cada dia e sempre. Felicidade não é de quem a busca, mas de quem a goza, no presente. Aqueles que olham para o que lhes falta, e para o que o outro tem, acabam por se esquecer do quanto já conquistaram e de quanta gente não dispõe da terça parte do que possuem.

Ser feliz é ser grato, ser bom e estar com Deus no coração. Não num hipotético e longínquo amanhã, mas num imediato agora, que revela a conexão com a Eternidade, o alinhamento com os Fluxos da Vida.

(Texto recebido em 2 de janeiro de 2002.)