Sentes as energias se te esvaírem, como se a vida se te escapasse entre os dedos d’alma, definhando de tristeza e amargura.

O rojão puxado de trabalho, com sobrecarga de problemas interpessoais distendidos em longo espaço de tempo…

A hostilidade gratuita ao serviço benevolente que prestas, por parte de forças que não se interessam no benefício que distribuis a mancheias…

A incompreensão de companheiros(as) de jornada, que te não alcançam o padrão de ideal…

As dificuldades íntimas de aprendiz da Espiritualidade, em curso intensivo de autoaprimoramento…

Sim, toma, com coragem e espírito de ação diligente, todas as providências eficazes para a administração e resolução conscienciosas da circunstância complexa em que estás inserido(a). A responsabilidade individual é cometimento intransferível.

A par disso, entretanto, considera, estimado(a) amigo(a) – e tem como certo -, que teu empenho em prol do bem comum (ainda que alcances poucas pessoas), constituirá sempre a trilha de redenção em tuas linhas cármicas, bem como a rota para a solução dos mais intrincados problemas, teus, dos entes queridos e das pessoas por quem te sentes responsável. Porquanto, em plano de profundidade, recorda-te: a Divina Providência nunca desampara os(as) que se devotam em zelar por seus(suas) irmãos(ãs) em humanidade e em lhes suprir as necessidades, com o que têm ou lhes chega às mãos.

Hoje, a enxurrada parece levar de roldão as realizações da véspera… e de anos a fio de teu empenho na realização benemerente. A visão sombria do momento, todavia, está distorcida, pelas intoxicações do estado de crise.

Detém-te a observar o panorama, com mais cuidado, e logo notarás que as tempestades do instante costumam afetar a superfície do terreno que amanhas, sem comprometer o solo profundo em que laboras – a gleba das almas (a tua própria e a de outras pessoas) que é adubada com o fertilizante da fé e irrigada com tuas lágrimas e teu suor, na faina bendita de ofereceres, continuamente, o melhor de teus recursos, com o fito de tornares o mundo, em torno de ti, ainda que mui paulatinamente, um lugar mais pacífico e humano em que se viver.

Eleva os olhos ao firmamento que, embora escuro na hora difícil que atravessas, revela estrelas distantes a te falarem, silenciosas, de esperanças inefáveis, sobre um porvir que pode ser incerto, no que concerne à época de acontecer, mas completamente seguro, no que diz respeito a se concretizar, quão mais glorioso e feliz quanto mais demorar a se manifestar, dentro da seara de trabalhador(a) da Vinha do Senhor em que labutas.

Lucas Desiderium (Espírito)
Benjamin Teixeira de Aguiar (médium)
Bethel, Connecticut, região metropolitana de Nova York
11 de janeiro de 2021