Era 1º de julho de 2009. Minha amiga-irmã Maisa Marante fazia a travessia por balsa, entre Aracaju (capital de Sergipe) e o município de Estância, um dos mais tradicionais do estado. Não havia ainda a ponte que hoje conecta as duas cidades.

A foto foi examinada por especialistas. Não poderia ter acontecido nenhuma ordem de acidente na captura da imagem, como, por exemplo, um excesso de captação de luz.

Não se tratava, muito menos, de um efeito da coroa solar, por sua gigantesca desproporção, como se pode notar facilmente no registro fotográfico, observando-se, na parte de baixo da paisagem, a copa do coqueiral, minúscula em relação às dimensões do Sol.

A fotografia foi batida por uma câmera eletrônica simples, à altura de pouco mais de 15h30. Sem que Maisinha (como a chamo na intimidade) houvesse aberto o arquivo da máquina (o que ocorreu apenas algumas horas depois), disse-lhe, em estado de graça e perplexo, bem próximo do anoitecer (quando ela já se havia unido ao pequeno grupo que estava comigo, em residência de veraneio de uma das amigas presentes), que Maria Cristo estava descendo à superfície da Terra, em Pessoa!

Assim, não enviaria Sua Mensagem à distância ou por Sua intermediária direta, o Espírito Eugênia-Aspásia. Essa era a clara e empolgante informação que eu recebia, antes de psicografar a Epístola Mariana para aquele ano – as Missivas Celestes eram anuais, na segunda metade da década de 2000.

Qual não foi a surpresa para mim e para todos(as) que nos congregávamos, em região praiana de silêncio, após a recepção da Carta de Maria Santíssima, quando Maisinha verificou o conteúdo do “cartão de memória” do aparelho e nos deparamos com a “estranha” foto que ela havia batido duas horas antes, aproximadamente, de eu anunciar que Nossa Senhora estava Se aproximando do plano físico de existência!

Fenômenos “com o Sol” são tradicionais, nas Aparições Marianas, desde o primeiro deles (e mais conhecido), de outubro de 1917, em Fátima, Portugal.

Seriam místicos ou ufológicos? Não podem ser, de fato, astronômicos, por motivos óbvios de astrofísica – um tremendo colapso em nosso sistema planetário aconteceria, imediatamente, se o Sol saísse ligeiramente de sua posição.

Alguma “Coisa” – sofisticada tecnologia, para alguns(umas); ocorrência espiritual extraordinária, para outros(as) – coloca-Se entre a estrela, localizada a 8min (na velocidade da luz) de nosso globo, e quem esteja observando ou documentando o Evento.

Seja bem-vinda, Maria Cristo, Mãe Espiritual da Terra, Representante da Face Maternal de Deus para nossa comunidade planetária!

Louvada seja, por escolher localidades insignificantes para o mundo e pessoas limitadas e pecadoras como eu, ao Se aproximar da crosta do orbe, trazendo-nos Suas Falas confortadoras, pacificadoras, esclarecedoras – ou, numa só palavra: salvadoras!

Benjamin Teixeira de Aguiar
LaGrange, Nova York, EUA
1º de julho de 2021