Espírito Gustavo Henrique

18 de agosto de 2015
 

A “viúva-negra” do dia a dia.

Introdução do Médium:

Pouco antes de o Espírito Gustavo Henrique proceder ao processo psicográfico, acompanhei, pela psicovidência, uma cena ambientada em Paris do início da década de 1910, no finalzinho, portanto, da famigerada “Belle Époque”, à beira da eclosão da Primeira Guerra Mundial. Uma jovem mulher, traços finos e assaz mal-humorada, vestida como no período pré-Chanel – chapelão, roupa e adereços exuberantes –, era acompanhada por seu esposo, um cientista muito mais velho, professor emérito de Sorbonne. Ele acabara de lhe fazer algum comentário, em meio a um breve diálogo, e recebeu dela um clichê de sátira como resposta. Sempre ouvindo-o com reserva, suspeita e má vontade, completamente impermeável pelo coração, ela não alcançava a pertinência e sabedoria do que o marido lhe dizia. Embora bastante culta e instruída, era intelectualmente medíocre, sobretudo se comparada ao consorte, um vocacionado pesquisador de mente brilhante.

Terminado esse quadro, o Autor espiritual pediu-me que psicografasse o artigo que se segue.


A “viúva-negra” do dia a dia.

Não, ela não mata o marido. Isso seria muito honesto e estúpido para ela.

“Honesto”, porque ela teria que admitir, não só para o mundo como para si mesma, que não é uma vítima, que não tem sentimentos por ninguém ou qualquer ordem de ideal e, principalmente, que não tem direito de reclamar de nada nem de culpar terceiros. “Estúpido”, porque, ainda que tivesse consciência de seu impulso homicida, ela é egoísta e fria demais para agir de modo a prejudicar-se severamente.

Assim, em lugar de eliminar a vida física do consorte, ela lhe assassina a autoestima um pouco todos os dias, com críticas ácidas a troco de tudo e de nada. Escarnece da dignidade dele, debocha de seus esforços de coragem, liquida com seu senso de humor e sua alegria para viver, tratando-o como um entulho a lhe atrapalhar a vida e a felicidade, dando-lhe a entender que não se livra dele apenas por caridade e por força do hábito. Suas verdadeiras motivações, no entanto, são bem outras: o divórcio lhe custaria caro, em termos financeiros e emocionais, e o homem com quem sonharia se ver casada a ignora completamente ou já se encontra em outro enlace matrimonial, faltando-lhe poder de sedução para atraí-lo.

Ela costuma matar também a reputação do cônjuge, entre familiares e amigos de ambos, espalhando suas opiniões deformadas sobre o caráter e a personalidade do companheiro, sem muita paridade com o que de fato acontece. E, quando há algum nível de correspondência entre a realidade e o seu discurso macabro, ela se delicia perfidamente com a maledicência, esbaldando-se em pintar quadros sinistros de mazelas comezinhas e quase inocentes, a respeito de sua “terrível” vítima diária.

Apesar de tudo isso, se o pobre coitado do marido pedir o divórcio, em lugar de continuar sendo por ela rejeitado e diuturnamente torturado, ou se as contas orçamentárias fizerem valer mais a ausência que a presença dele, ou se aparecer um sujeito mais manipulável ou interessante que o substitua nas funções de provedor, Deus o socorra… porque, então, camarada, essa mulher mesquinha e perversa pode revelar seu lado mais diabólico, destilando maldade e intriga a mancheias, limitadas apenas pelos estreitos muros de sua inteligência… que mal lhe permite atinar para o quanto é infeliz, antes de infelicitar quem quer que seja…

Os machistas em polvorosa acalmem um pouco a empolgação com este libelo terrível contra “esposas do mal”, porquanto há versões masculinas deste perfil psicológico e mormente de caráter, tão letais quanto suas contrapartes femininas, sem contar que outras modalidades de “viúvas-negras” existem: entre funcionários descontentes, estudantes preguiçosos, profissionais medíocres, ou entre aqueles que se julgam “gênios desconhecidos e injustiçados” de toda sorte…

Para essa gente de “língua grande” e pouco talento, presunção delirante e egoísmo mordaz, o problema de seus insucessos são os outros: chefes, colegas de trabalho, patrões, clientes, associados ou parceiros de negócios, filhos, pais ou parentes, quando não a Própria Divindade e as Forças que A representam. E dificilmente tais figuras alienadas e desventuradas percebem o quanto se equiparam a “viúvas-negras” (termo maldito, porque racista, além de machista), ou a “buracos negros” (outra expressão igualmente infame), a tragarem, para dentro de si, tudo que passe à sua volta, gerando destruição e desgraça, a começar, é claro, delas mesmas e suas miseráveis e satânicas existências…

Ah… não… provavelmente você sequer poderá processar esses indivíduos, por vias judiciais. Psicopatas lúcidos(as) do dia a dia de todos nós, eles(elas) são espertos(as) demais, como dissemos acima, para se permitirem resvalar em ilícitos óbvios, quais os cominados em lei.

Por isso, especializam-se na maldade refinada, quanto suas inteligências tacanhas propiciem, ignorantes de que um pouco de amizade e fraternidade sinceras, confiança e confiabilidade, decência e humanismo, são elementos indispensáveis à felicidade de qualquer criatura…

Espírito Gustavo Henrique.
Médium: Benjamin Teixeira de Aguiar.
22 de maio de 2015.




Cadastre-se e receba mensagens por e-mail: