Benjamin Teixeira de Aguiar

7 de junho de 2015
 

Questionamento sobre a possibilidade de comunicação mediúnica

Um integrante de nossa fan page no Facebook consultou-me, em reservado. Nossos Esclarecedores espirituais me autorizaram a responder-lhe, bem como a trazer a lume o breve texto, redigido sob sua inspiração. Segue-se, então, a resposta, após a pergunta que me foi dirigida:

Pergunta – Obrigado pela atenção e carinho. Caro irmão, tenho um amigo evangélico que trabalha comigo e me fez a seguinte indagação: “Já que vocês espíritas dizem que podem se comunicar com os ‘mortos’, por que até agora nenhum espírito ou mesmo o espírito da Eliza Samudio não disseram onde estão os restos mortais dela?” Confesso que não soube o que responder a ele. Obrigado.

Benjamin Teixeira de Aguiar e Amigos espirituais – Meditemos em torno desta metáfora:

As comunicações entre os residentes em uma estação espacial e os que habitam a superfície da Terra são regidas por regras de um conselho de autoridades científicas da companhia que pôs a plataforma em órbita do planeta, respeitando-se critérios complexos de economia dos canais e da energia para esse processo de intercâmbio, com foco em pesquisas de ponta, em prol da evolução da ciência e da tecnologia, a benefício da humanidade inteira.

Um belo dia, um garotinho invade uma instalação da tal empresa espacial e, aos berros, diz que não acredita que haja seres humanos suspensos em órbita do globo, e que só acreditaria nisso se um dos astronautas se comunicasse diretamente com ele, para dar provas de sua existência, falando sobre alguns pertences pessoais que deixou na crosta do orbe.

Como seria tratado o menino impertinente? Sua solicitação seria atendida?…

Seria acionada a equipe de segurança da grande empresa, que se riria, entre o desdém e a ternura, e pô-lo-ia para fora da instalação, procurando apenas encaminhá-lo aos pais, sem sequer lhe explicar por que sua interpelação bizarra e infantil não foi atendida.

Deixemos o amigo protestante continuar suas lições do jardim de infância da religião. O entendimento das questões complexas do Espírito demanda mais inteligência e profundidade nas reflexões. O Cristo Verbo da Verdade, de Quem ele se diz discípulo, em certa ocasião, chegou a materializar, ao Seu lado, não anjos ou demônios, mas os espíritos de Moisés e Elias, no Monte Tabor, como está registrado nos Evangelhos (*), que nós, de fato, buscamos seguir, em sua inteireza.

18 de janeiro de 2015.

(*) Nos Evangelhos sinóticos: Mateus, 17:1-9; Marcos, 9:2-8; e Lucas, 9:28-36.




Cadastre-se e receba mensagens por e-mail: