Banners de sabedoria

5 de setembro de 2012
 

Automutilação de Adolescentes e as Estripulias do Príncipe Britânico.

http://sq.imagens.s3.amazonaws.com/1209-Setembro/Teenagers.jpeg

Espírito EUGÊNIA
em diálogo com Delano Mothé.
Médium: Benjamin Teixeira de Aguiar.

Delano Mothé – A senhora poderia trazer esclarecimentos acerca da prática da automutilação? Chamou-nos a atenção a seguinte manchete, publicada em um semanário nacional: “Diante de uma angústia intensa, adolescentes se cortam escondidas em busca de uma forma de amenizar o sofrimento. A internet ajudou a revelar o alcance do mal.”

Espírito EUGÊNIA – Antes de maiores considerações, importa lembrarmos a máxima conceitual freudiana, incorporada a seu edifício de princípios a partir das ideias de uma de suas discípulas mais célebres (*1): a pulsão de morte, ou “thanatus”, que se contraporia à pulsão de vida, denominada, “lato sensu”, de “libido”, aqui compreendida de modo equivalente ao proposto pelos bons exegetas da obra do mestre vienense, não se circunscrevendo o impulso basilar a, tão só, ímpetos sexuais. Em outras palavras, corroborando as assertivas do “Pai da Psicanálise”, a inclinação à autodestrutividade, quanto à destrutividade (faces de um mesmo vetor psíquico), é inerente à condição humana. Como canalizar esses impulsos antagônicos – eis a questão –, além de equilibrá-los entre si, de forma construtiva, qual ocorre nos processos de amadurecimento do ser, que implicam destruição do “antigo” para a edificação ou estabelecimento do “novo”, é que “são elas”.

Adolescentes (principalmente as meninas, pelo perfil psicológico feminino mais tendente à autodestrutividade, em oposição ao dos meninos, mais destrutivos, geralmente, por fatores complexos biopsicoculturais que não nos cabe aqui minudenciar, por fugirem ao tema em estudo) sofrem muito maior dificuldade, numa civilização complexa e prenhe de contradições como a terrena da atualidade, para se ajustar, orientar-se e buscar compensações para seus dramas e conflitos íntimos. O elemento das endorfinas que são “convocadas”, pelo sistema biopisíquico, a trazer alívio químico à máquina cerebral, no instante das automutilações leves, aventado por estudiosos, constitui meramente a “ponta do iceberg” da questão bem mais intrincada.

Há, sim, maior comunicação, e a rede mundial de computadores favorece a revelação do que antes podia ser mais ocultado. Todavia, de fato, existe um acréscimo de influência nas forças da desagregação, típico em épocas de transição. Esse fenômeno de massa (*2) representa, por assim dizer, um alarme para a necessidade de uma educação de melhor qualidade, para a vida como um todo e não meramente para o mercado de trabalho, qual atualmente acontece no sistema acadêmico convencional, abarcando-se inclusive o período do ensino fundamental e o pré-escolar. Urge que pais, professores e tutores, de uma maneira geral, da infância e juventude, não só encontrem, primeiramente, para si próprios, propósitos maiores na existência humana, mas também estejam capacitados a transmitir isso a seus filhos, discípulos e pupilos, de molde a que a “angústia existencial” natural à crise de adolescência não ultrapasse certos limites toleráveis, sem o desembocar para distúrbios psiquiátricos mais graves, eventualmente degenerando para o suicídio ou desvãos da criminalidade.

http://sq.imagens.s3.amazonaws.com/1209-Setembro/Adolescentes.jpeg

DM – A senhora teria algo a comentar a respeito do escândalo sexual envolvendo oito mulheres e o príncipe Harry, num hotel em Las Vegas, e sobretudo quanto à opinião aprobatória de expressiva parcela dos britânicos, que declaram adorar as estrepolias do jovem da realeza inglesa?

EE – Da parte do jovem estroina, que age como qualquer indivíduo imaturo, com fácil acesso a toda ordem de desatinos e excessos, cremos nada precisarmos esclarecer, pelo óbvio dos fatores envolvidos. Com relação à opinião pública do país europeu da “família real” em foco, denota-se a crítica carência de sentido para viver, o que fomos compelida a asseverar na resposta à questão anterior, não por acaso. As pessoas buscam a mídia, de boa ou má qualidade, os periódicos de criminalidade e mesmo os extensos dramas novelescos de ficção, com o fito de, inconscientemente, preencherem um vazio no Espírito que só o próprio Espírito pode plenificar: com propósitos dignos, de ideal, sabedoria e serviço ao bem comum. Quem foge a esse apelo inarredável da natureza eterna de nossa essencialidade última, degrada-se, avilta-se, enlouquece, em graus variados.

(Diálogo mediúnico entabulado em 2 de setembro de 2012.)

(*1) Sabina Spielrein.

(*2) Segundo estimativas atuais, 8% das adolescentes praticam algum nível de automutilação.

Ajude a sábia e santa Mestra Espiritual Eugênia e Seus Amigos igualmente Mestres Desencarnados a disseminarem Suas ideias de sabedoria e amor, e, com isso, tornarem mais feliz e pacífico o nosso mundo (ou o mundo dos destinatários que você escolher beneficiar com sua partilha). Encaminhe este arquivo a sua lista de e-mails, compartilhe-o em redes sociais, divulgue-o com seus amigos, utilizando os mais diversos meios ao seu alcance.

Se você está fora de Sergipe, assista, gratuitamente, às palestras públicas do Instituto Salto Quântico, com Benjamin Teixeira de Aguiar, ao vivo, aqui mesmo, em nosso site: todos os domingos, a partir das 18h15 (horário de Brasília) – incluindo um canal com tradução simultânea para o Inglês. Ou, se estiver em Aracaju e Região Metropolitana, seja bem-vindo(a) à participação presencial, no Iate Clube de Aracaju, com ministração de passes iniciando-se às 18h.

<img class=”aligncenter size-full wp-image-62580″ alt=”" src=”http://www.saltoquantico.com.br/wp-content/uploads/automutilacao-de-adolescentes-banner.jpg” width=”500″ height=”500″ />




Cadastre-se e receba mensagens por e-mail: