Espírito Eugênia-Aspásia

18 de dezembro de 2009
 

O Delicado Ponto de Equilíbrio entre Ser Firme, sem se Fazer Grosseiro; entre Ser Amoroso e Não Mimar um Ente Querido (e 12 dados checados e corretos, desconhecidos do médium).


Em matéria de carácter mais preciso, a mensagem de cunho pessoal se segue, na tarde de hoje, à nossa cara amiga (…), que nos merece atenção especial, pelo empenho a que se devota à nossa Causa Sacrossanta.

Que ela não se preocupe com seu paizinho (*1). O “velho” acordou, hoje, cheio de queixumes (*2), fazendo drama com a própria condição orgânica (*3) (bem masculino – risos). Na medida em que irritava nossa cara companheira (*4), pela óbvia manipulação que lhe tentava exercer (*5) – porquanto, da parte dele, nada realiza, no sentido de providenciar cuidados para com a saúde (*6) –, gerou, outrossim, indiretamente, culpa (*7) em sua filha, nossa querida (…) – rs (*) –, não porque se tivesse ela impressionado com seu dramalhão “mexicano” (perdoe o uso do estereótipo), mas por nossa irmã em ideal ser particularmente sensível, neste quesito e com seu progenitor, deveras carecente de tolerância (*8), pelo abusado das teimosias e fixações envolvidas.

Estranhou-se (*9), igualmente, a prezada (…), com a inteira ausência de preocupação real com o quadro de saúde do paizinho (*10). E isso também lhe fomentou cobrança íntima (*11), pois que presumiu ser este sentimento (ou falta de sentimento) decorrente de indiferença, de desamor, de pobreza de piedade cristã (*12). Tranquilize-se: a amiga se equivocou em sua autoavaliação. Tratava-se tal despreocupação de intuição (certeira) quanto à real contingência orgânica do velhinho amado.

Por outro lado, no que concerne à irritação íntima, oriunda da boa leitura que fez do “papelão” infantil de seu pai biológico, constitui reação natural (e inexorável – a não ser que pretendesse reprimir percepções e alienar-se de suas melhores intuições). Além do quê, reforça a desnecessidade de autocondenação o haver-se portado educada e mansamente, com ele, apesar de mais seca e menos amorosa – o que não só seria compreensível, como esperável e desejável, porquanto o ser afetuoso, em surto de birra ou de “dengo” manipulador de um “bebê”, faz da “mãe” ou do “pai”, que zela pela “criança”, cúmplice no processo de aprofundamento e dilatação do vício mental envolvido no tutelado e seu comportamento histrião.

Mãe em Cristo,
Eugênia.

Aracaju, 18 de dezembro de 2009.

(Mensagem recebida por psicografia manuscrita, pelo médium Benjamin Teixeira.)

(*) A Autora espiritual faz um gracejo com a destinatária, utilizando seu apelido íntimo.


Ajude a santa e sábia mestra espiritual Eugênia a disseminar Suas ideias de sabedoria e amor, e, com isso, tornar o nosso mundo mais feliz e pacífico. Basta que encaminhe este arquivo a sua rede de e-mails. Para tanto, utilize a ferramenta abaixo, com os dizeres: “Envie esta mensagem para seus amigos”.




Cadastre-se e receba mensagens por e-mail: