Benjamin Teixeira de Aguiar

23 de setembro de 2008
 

Bilhete Falado, na Aduana da Primavera.

por Benjamin Teixeira.


No final da madrugada, início da manhã desta segunda-feira, 22 de setembro, em que nos introduzimos, por convenção, na primavera, vivenciei significativa experiência paranormal, que senti deveria publicar, tendo, por fim, autorização dos Orientadores Desencarnados para fazê-lo.

Após uma excursão de trabalho, na dimensão extrafísica de existência, em desdobramento parcial do espírito – também conhecida como projeção da consciência ou viagem astral –, vi-me diante da sábia e doce mestra desencarnada Eugênia, vestida, elegantemente, em magnífico figurino de meados do século XIX, com imensa e rica saia balão. Em torno dela, damas amáveis, igualmente trajadas, como na época da reencarnação de Kardec (*), postavam-se, simpáticas e expectantes, aguardando a fala da sublime enviada de Maria Santíssima. Estávamos todos suspensos, em ponto pouco acima das nuvens, em paisagem semelhante à que se vê, quando em vôos comerciais, pela janela das aeronaves. Atrás da majestosa professora do Domínio Excelso, um espetáculo multicolor no céu, evidenciando o amanhecer, puxando para os tons de ouro e alaranjado, pelo que pude registrar.

Eugênia, num gesto muito seu, depositou a destra sobre o coração, como a suster o poder estupendo de seu amor generoso, e, com a mão esquerda, segurou-me as mãos, dizendo, em luminoso, seráfico e largo sorriso, fitando-me fundo nos olhos, ao passo que me transmitia, telepaticamente, a imagem da companheira encarnada a quem desejava enviar recado por meu intermédio:

– Minha muito amada amiga: todo o meu coração, numa bandeja mística de entrega a você!…

Ato contínuo, fui tragado de volta ao corpo físico, com a velocidade de um relâmpago, impregnado das vibrações transcendentes da preceptora de Sócrates (quando Aspásia de Mileto), e estiquei-me a digitar, imediatamente, pelo celular, através do sistema SMS, o bilhete ditado da santa sábia. Foi difícil tornar a conciliar sono. A imagem da mestra suspensa no ar, no eixo de um grupelho de ladies redimidas, com a mão mimosa sobre o peito, exalando, do olhar radiante, amor em caudais infinitos, trepidava-me, no peito, teimando dificultar meu relaxamento. Para completar minha excitação, lembrava-me da destinatária – uma extremosa mãe de duas jovens, dedicada profissional da classe média, esforçada e sacrificada, devotada à causa da mestra-anjo –, e vibrava de satisfação ao imaginar a alegria que lhe deveria ser imensa, naquele momento, pela deferência especial do gênio-coração da Dimensão Superior (como logo mais recebi confirmação, pelo mesmo canal de comunicação eletrônica).

Nenhuma pérola especial de sabedoria, nenhuma página poética, nenhuma elucubração ousada, das tão típicas, interdisciplinares, do guia impoluto. Tão-só a oferta mística do coração de uma mãe santa da coletividade, para uma mãe pré-santa de duas moças – o doce elo de ternura e zelo, devotamento e carinho, que une as almas despojadas de apegos egóicos, componentes da, como Eugênia singelamente denomina: “Comunidade das Mães do Céu”.

Nunca estamos sós… realmente nunca! Hoje, publico esta página coração… já que temos tido, por aqui, neste mundo de tanta inteligência e cultura, demasiada intelecção. Somente pelo amor seremos salvos do Armagedon, que, por incúria nossa, programamos para nosso orbe. Somente por meio da solidariedade, do sentimento de fraternidade e serviço cristão na caridade desdobraremos a felicidade possível na Terra.

O amor é a máxima expressão de Deus… Fora do amor, não há Deus. Que, neste dia, em que iniciamos, simbolicamente, a primavera, nossos corações floresçam e desabrochem para o Ser Supremo, em serviço e dedicação ao bem comum, à nossa e à coletiva bem-aventurança.

(Texto redigido em 22 de setembro de 2008. Revisão de Delano Mothé.)


(*) O luminoso guia Eugênia pretendeu nos remeter a significados daqueles já longínquos dias do século do Codificador, em que alguns integrantes de nossa Organização jazíamos reencarnados, trabalhando como auxiliares do ínclito autor de “O Livro dos Espíritos”.

(Nota do Autor)

Aviso:

O programa Salto Quântico, em sua versão local, veiculado pela Aperipê TV (somente para o Estado de Sergipe), passou a ser exibido nas manhãs de sábados, às 9h, em virtude de reformulação na grade de programação desta emissora.

(Equipe Salto Quântico)




Cadastre-se e receba mensagens por e-mail: