Espírito Temístocles

12 de fevereiro de 2008
 

Sedução, Poder e Criatividade

– A Mística da Sombra Psicológica – (*1)


Benjamin Teixeira
pelo espírito
Temístocles.

1) Definição breve de Sombra Psicológica.

a) Tudo que não pode ser percebido, conscientemente, como componente do próprio psiquismo.
b) A primeira personalidade espectral interior (*2), com que se interage, como ponte personificada, entre a mente consciente e a inconsciente.

2) Elementos psíquicos vetoriais componentes do psiquismo profundo (o inconsciente, da perspectiva freudiana):

a) Eros;
b) Thanatos.

3) Definição abrangente do que seja cada um deles:

a) Eros representa tudo que propele à vida.
b) Thanatos, apesar de ser, originalmente, a pulsão de morte, constitui, em verdade, um vetor de renovação.

4) As três consagradas escolas psicanalíticas representadas nas três grandes categorias de ação da sombra contidas no título-mote deste trabalho:

a) Sigmund Freud – psicanálise focada no busílis “libido”.
b) Alfred Adler – corrente psicanalítica fulcrada no sistema de poder. Criador do famoso “complexo de inferioridade”.
c) Carl Gustav Jung – escola de psicanálise alicerçada no estudo profundo de todas as geratrizes – individuais e coletivas – dos feixes psicológicos da mente humana.

5) Sexo, poder e criatividade – ontem e hoje:

a) Instintos foram substituídos pela intuição, na condução da vida sexual humana.
b) O poder foi além da esfera física, passando para a das posses materiais, transferindo-se para o conhecimento e a inteligência, agora esboçando trafegar para o campo do sentimento e da espiritualidade.
c) A criatividade, que era uma potência meramente biológica, tornou-se produtiva, para se fazer abstrata, na edificação das obras da civilização – de monumentos a bibliotecas –, a fim de, num terceiro estágio de evolução, atingir o patamar transcendente da autopoiese (autocriação), no rumo da Espiritualidade Sublime.

6) Contradição x complementação das potências da psique:

A evolução dos fatores criacionais da mente humana se dá de forma gradativa e cumulativa, e, em primeiro momento, para a expansão de uma fase, a anterior (ou anteriores) fica(m) embotada(s) em suas funções. Com o tempo, as propriedades de todas convergem, embora sob a regência do estágio evolucional em que o indivíduo se encontre. Ou seja: o impulso de poder não exclui o do sexo, mas este sofre o império daquele; tanto quanto a força criativa espiritual, conquanto não neutralize de todo as necessidades das duas fases anteriores, coloca-as em função da aspiração maior do ideal, do espírito.

7) Quem são as pessoas que apresentam maior facilidade nos movimentos da sedução, do poder e da criatividade:

Indivíduos com maior integração com a vida inconsciente de seus psiquismos. São menos regidos pela razão, e, quando racionais, não sobrepõem raciocínios lógicos a sentimentos ou intuições, aprendendo a fazer sínteses funcionais das avaliações e análises do consciente com as proposições não-verbais e simbólicas do reino inconsciente.

8) Como edificar esta ponte de conexão entre a parcela consciente e a inconsciente da própria psique:

Não há soluções rápidas, nem caminhos fáceis, mas estratégias de construção psicológica, que devem ser mantidas ativas, por longo tempo:

a) Trabalho com os sonhos;
b) Diários dos sentimentos e das reflexões íntimas;
c) Psicoterapia;
d) Meditação e oração;
e) Auto-análise;
f) Prática profunda de uma tradição espiritual;
g) Exercício da escuta e avaliação dos resultados da intuição;
h) Submeter-se à condução de um mestre espiritual sério e maduro.

9) Sugestões e conselhos elementares sobre cada um dos três âmbitos axiais de atuação da sombra:

a) Os três devem estar sujeitos aos trâmites do amor. A ausência de amor: bestializa o sexo; tiraniza o poder; e degenera a criatividade.
b) Os três devem estar em função dos ideais de espiritualidade, ou, no mínimo, do impulso de evolução, ou perdem sua razão de existir.
c) Os três devem estar submetidos às exigências da civilização, embora não da convenção – aquelas constituem princípios comportamentais bem distintos, que podem, sumariamente, ser resumidos na idéia de que deve haver respeito ao gênero humano e seus conglomerados sociais, mas nunca subserviência a preconceitos de tradições castradoras.


(Texto recebido em 10 de fevereiro de 2008. Revisão de Delano Mothé.)

(*1) Esqueleto programático do workshop ministrado por Benjamin Teixeira, na data da recepção deste conteúdo. Além dos comentários elucidativos dos temas, levados a efeito pelo médium-conferencista, houve 3 ilustrações audiovisuais, com trechos de filmes sugestivos das três temáticas. Ao final, o escritor espírita, impossibilitado, pela exigüidade do tempo, de conduzir a anunciada experiência de estado alterado de consciência com os presentes, com o fito de lhes ativar o processo de comunicação-comunhão com o inconsciente, transferiu-a para a próxima reunião pública de domingos (17/02/2008), à sua hora habitual (19h30), com entrada gratuita. A Espiritualidade Amiga, por fim, determinou a publicação deste cronograma explicativo.
(Nota da Equipe)

(*2) A segunda é a sizígia; a terceira e última, o arquétipo da totalidade, o Self, conforme a psicologia analítica, de Jung.
(Nota do Médium)




Cadastre-se e receba mensagens por e-mail: