Espírito Eugênia-Aspásia

9 de abril de 2007
 

Sopros de Sabedoria – 71.


(Projeção, a base da percepção.)

Benjamin Teixeira
pelo espírito
Eugênia.


A base da percepção é a projeção. Vê-se o que se tem em si. Enxerga-se o mundo, conforme a própria biografia. Os tons emocionais e psicológicos e as matrizes culturais e filosóficas do indivíduo afetam a forma com que lê e avalia pessoas e situações, do mesmo modo que lentes coloridas conferem matizes ao percebido. Bem mais do que a analogia da lente pode sugerir entrever, no caso da percepção humana, deixa-se de ver o que não existe em si, nem mesmo em estado embrionário, e supõe-se adivinhar o que não existe no outro, pelo espelhamento das próprias tendências.

Até na observação do universo das partículas subatômicas, verificou-se, sem espaço a dúvidas, que a realidade observada é alterada, de acordo com pressupostos do observador. Evidências inequívocas, por exemplo, materialmente averiguáveis, demonstraram ser a matéria conformada, em seus últimos substratos de constituição, como onda ou partícula, segundo as premissas conceituais dos cientistas pesquisadores. Se no universo da matéria inanimada, há interferência projetiva de quem vê, que não se dirá acontecer no complexíssimo e ultra-subjetivo mundo das relações, sentimentos e especulações humanas?

Em conclusão, pode-se dizer que, para vislumbrar a realidade, mais próxima do que ela é, objetivamente, indispensável conhecer-se em profundidade.

(Texto psicografado em 8 de abril de 2007. Revisão de Delano Mothé.)

Observação:
Por conta de suas grandes proporções, os capítulos do romance “O Instituto Voltaire” estão ficando dois dias expostos, como “mensagem do dia” (sexta-feira e sábado), de modo a que o prezado leitor não tenha dificuldade de acompanhar todas as publicações novas de nosso site.
Neste domingo, porém (e assim em toda semana, daqui por diante), foi disponibilizado novo artigo, que você pode acessar clicando em “Mensagens Anteriores”.




Cadastre-se e receba mensagens por e-mail: