Crônicas de Gustavo Henrique

25 de janeiro de 2007
 

A Sanha do Bruxo Complexado e Invejoso.

Benjamin Teixeira
pelo espírito Gustavo Henrique.

- Por favor, Carmínio, ouça-nos o pedido. Pelo menos mais uma vez. Sei que você já fez o que pôde pela alma perturbada de nosso protegido, mas pediríamos que tentasse uma vez mais, que telefonasse só mais uma única vez… Precisamos aproveitar o ensejo de mantê-lo dentro das fileiras do Espiritismo, ou sofreremos um atraso, em termos de aprendizados e transformações íntimas, que nem de longe podemos por ora aquilatar dimensões, não só na vida de Laécio, como na de muitos que participam de sua teia de relações pessoais.

A voz doce de Ildegarda, guia espiritual do médium Carmínio, falava em tom amável e conselheiral, mas o medianeiro cismava profundamente. Media as conseqüências da iniciativa proposta pela adorável mentora, que lhe soava como insistência dele para com alguém que não desejava estar ao seu lado, dando espaço a toda ordem de conjecturas menos dignas na mente daqueles que soubessem de tal gesto seu, inclusive na do próprio beneficiário.

- Preciso usar o bom senso, nobre Ildegarda. Não faz sentido eu teimar em procurar Laécio. Ele já se afastou de nosso núcleo de amigos. As portas de nossa casa estão sempre abertas. Aqueles que desejam comparecer podem retornar, e sabem que podem, em qualquer tempo. Por sinal, sabe que ele não me tem em boa conta e também de que modo pouco confessável poderá interpretar uma reaproximação minha. Não tergiversou em fazer uso da calúnia, antipatizando-me o modo de ser e de agir.

- Eu sei, meu filho – respondeu, elegante e compreensiva, a dama desencarnada –, mas veja o apelo que a esposa lhe fez hoje. Ele foi enxotado da outra casa espírita. Ninguém o está querendo por perto, pela sua própria natureza problemática, criando um vórtice de perturbação por onde passa. É a hora de exercitarmos o perdão e a humildade. Se ele é alguém que não lhe quer bem, e que lhe difamou o nome em outro tempo, mas está disposto, por se encontrar necessitado, a receber sua ajuda, por que motivo lhe negaríamos este lance de fraternidade? Não seria o momento de lhe oportunizarmos a transformação íntima? Não é esta a hora azada para darmos a ele o ensejo à reabilitação não só ante você, como perante a própria consciência?

Carmínio meditava, circunspecto, diante das considerações expendidas pela nobilíssima matrona, e, então, tornou:

- Tudo bem. Vou lhe atender o pedido.

Em seguida, telefonou para o antigo desafeto, que nem de longe poderia divisar o esforço moral que envidava seu interlocutor para procurá-lo amistosamente, como fazia. Afetuosamente, convidou-o a participar do grupo espírita de que compunha diretoria, inclusive lhe concedendo posto destacado, à medida que o tempo foi passando, de condução de trabalhos de mediunidade e divulgação da mensagem espírita.

Mas, lamentavelmente, o passado fala mais alto para as almas menos vigilantes e, principalmente, para aqueles que se deixam enredar nas teias da inveja e da maledicência. Após anos tentando dirimir problemáticas de vulto dentro de seu conglomerado de irmãos em ideal, fomentados por Laécio e seus asseclas, mormente pela teimosia em não se manter à altura das responsabilidades que lhe cabiam, fugindo ao estudo e totalmente carente de habilidade em conciliar temperamentos contrários, sem demonstrar quaisquer sinais de bondade ou maturidade, Carmínio foi obrigado a afastá-lo dos cargos de comando que ocupava, jamais, todavia, lhe fechando as portas da instituição. Laécio, porém, personalidade altamente orgulhosa e viciada no menor esforço, não admitiu o próprio erro e, em vez disso, preferiu fazer uma campanha de mexericos e calúnias em torno da figura do médium devotado, procurando pessoas uma a uma para lhe denegrir o nome e a imagem. Pequenas particularidades da vida do intermediário das Alturas foram hipertrofiadas à conta de monstruosidades inomináveis, com acréscimos mentirosos e mesquinhos, e toda a grandeza de serviços prestados pelo empenho do inteligente médium – que renunciara à fortuna e ao prestígio que facilmente bateram à sua porta desde a primeira mocidade, para se dedicar integralmente à causa espírita – foi forçadamente ignorada por aqueles mesmos que mais se haviam beneficiado com sua generosidade e orientação.

Mas a organização espírita conduzida por Carmínio só fez crescer, depois de tal crise. O intuito de Laécio, de destruir o trabalho do medianeiro, só o fez engrandecê-lo, aos olhos dos homens e de Deus, porque, ao reverso de derrear o moral, o porta-voz do Bem reagiu, energicamente, fazendo sempre mais e melhor, com enorme louvor para si, e terríveis débitos cármicos para seu inimigo gratuito.

Vamos ver, quase dois anos depois do ocorrido, o vulto sobranceiro de Ildegarda aproximar-se da acústica mediúnica de Carmínio e dizer:

- Todos aqueles que se afastaram, envenenados pela insídia da maledicência, sofrerão severas conseqüências, que serão anotadas na conta cármica de Laécio, mas nas dos próprios desertores também, individualmente, por não se haverem prestado a averiguar, pessoalmente, a qualidade e a verdade do que se lhes dizia. Em tempo, muitos tornarão aos nossos círculos de ação, acicatados pelas vergastadas da dor, e, se houverem preservado um mínimo de lucidez e de humildade, procurá-lo-ão. Se não, tresmalharão por caminhos que não os mais apropriados ao seu perfil psicológico e suas necessidades evolutivas. Pensam nas iniqüidades perpetradas contra vultos do passado e imaginam que, para os missionários de hoje, as ignomínias seriam as mesmas, sem se darem conta de que cada época tem seus desafios e preconceitos diferenciados a serem suplantados, e que eles mesmos se fazem os agentes das trevas, instrumentos do Mal na vida sua e de outros dignos despenseiros do Bem Eterno.

- Isto me soa castigo, Ildegarda. Seria justo, em vista da ignorância a que se confiam? – ainda redargüiu, sensível e sem qualquer laivo de sentimento de vindita, o médium genuinamente evangelizado.

- Não, meu filho, não se trata de castigo, e sim de conseqüência. E sofrem tais revertérios do destino porque, somada à ignorância, há a má-vontade e o orgulho que não lhes permitem reconhecerem-se inferiores. Algumas das provações por que vão passar, atravessariam-nas de qualquer modo, mas muito suavizadas seriam se estivessem incursos na oficina de trabalho espiritual que nos está sob a responsabilidade. Todavia, outros padecimentos que já estão a caminho de suas rotas existenciais sequer viriam a ocorrer, não fosse esta fuga clamorosa a que se renderam, lamentavelmente tão típica à condição humana, na esteira indefinida de encarnações desperdiçadas na covardia, na preguiça e na malícia.

A cena se esvaiu, para meu espírito de observador, e, assim, lobriguei a oportunidade de trazê-la a público, recebendo autorização para tanto… Fiquei a meditar, severamente… Quantos desperdiçam sagradas oportunidades de crescimento e felicidade, lançando-se, ensandecidos, contra a própria fonte de dádivas celestes que lhes foi ofertada pela Divina Bondade, para sofrerem impensáveis padecimentos futuros por conseqüência, sabe lá Deus por quanto tempo, enquanto, ironicamente, ainda se sentem injustiçados, na faina louca de proteger o próprio orgulho e a culpa medonha em que incorreram, no delirante complexo de vítima dos algozes mais encarniçados…

Que Deus amenize suas dores presentes e futuras…

(Texto recebido pelo médium Benjamin Teixeira, em 24 de janeiro de 2007. Revisão de Delano Mothé.)

Encontro Magnífico… e suas Novidades…

Apareça você também nas cada vez mais interessantes e fascinantes palestras públicas do Médium sergipano. Além de um encontro com Deus e a Espiritualidade, as reuniões que acontecem no Espaço Emes, às 19h30min, mais parecem um grande instante de entretenimento semanal, sem prejuízo da já conhecida profundidade e sabedoria das preleções de nosso guru, sob inspiração da Espiritualidade Sublime.

Há algumas semanas, Benjamin Teixeira faz uso de um moderno sistema de lançamento de ilustrações no telão, com projeção de dados que “manuscreve” na superfície de uma “bandeja digitalizadora” sobre sua mesa.

As ilustrações de trechos de filmes, minisséries, desenhos animados, documentários ou novelas, sempre interessantes, recebem os comentários enriquecedores e surpreendentes de nosso professor de espiritualidade. Ainda há a prece inicial do também conhecido Jácome Góes, precedida pelo canto erudito de Marilia Teixeira (soubemos que ela ficará conosco, provavelmente, até o fim do mês de fevereiro, antes de retornar a São Paulo), enlevando-nos o espírito para as primícias da noite.

Antes e depois da palestra do líder espírita, um grupo de esclarecedores se dispõe ao chamado “atendimento fraterno”, ofertando aconselhamento para crises ou diretrizes basilares para a introdução no universo espírita, ouvindo os desabafos e atendendo a dúvidas mais elementares dos que desejam conversar com alguém.

Por fim, e provavelmente o mais importante de tudo, Benjamin psicografa em público, sob luz propícia, secundado por três auxiliares, canalizando o pensamento da Espiritualidade Excelsa que se faz presente, com sua ímpar sabedoria, após o que o médium encerra a reunião com uma prece em que está inclusa a extasiante e arrebatadora Entrega a Maria, convocando todos a, em uníssono, consagrarem-se à Mãe Santíssima da Humanidade. Finda a comunhão mais direta com o Plano Superior de Vida, dá-se início ao ministramento de passes individuais.

Tudo isso ocorre no espaço curtíssimo de uma hora e meia. Que de mais interessante pode acontecer entre as 19h30min e 21h da tediosíssima noite de domingo? Seja bem-vindo. Invista em você mesmo. Rompa com o comodismo, saia da área de conforto! Você só tem a ganhar com isso! Venha só, venha com amigos, venha de qualquer jeito (risos). Você não precisa ser espírita, como tanto diz Benjamin, você só precisa ser humano! – diríamos nós! Vamos juntos nos unir a Deus e Seus representantes. Quem pode dispensar esta ajuda fundamental? Junte-se à nossa família espiritual, sob a batuta do nobilíssimo espírito Eugênia, a mentora espiritual de nossa organização, que foi a grande Aspásia de Mileto (mestra do inolvidável Sócrates) e reencarnou como Santa Bernadette Soubirous (em sua última passagem pelo domínio físico de existência), em cuja ocasião viu Nossa Amantíssima Senhora em Lourdes, França.

E… como dissemos… tudo isso gratuitamente!

Delano Mothé, Cristiane Carmelo, Aline e Úrsula Rangel e Maisa Marante, em nome de toda a equipe do Departamento de Divulgação do Salto Quântico.




Cadastre-se e receba mensagens por e-mail: