Espírito Irmã Joana

3 de maio de 2006
 

Serenidade.

pelo espírito Irmã Joana.

A serenidade é obrigação de todos os dias, para todas as circunstâncias. Não esperemos ocasiões especiais para aplicá-la. Busquemos a voz do desinteresse e da paz dentro de nós, e encontraremos o parâmetro de equilíbrio e de lucidez que nos guiarão em todas as crises e desafios encontradiços na humana existência.

Jesus nos disse: “A minha paz vos dou, a minha paz vos deixo. Não vo-la dou como o mundo a dá”. Duas questões podem ser consideradas, duas ilações importantes podem ser inferidas deste texto:

1) Que a paz é a chave de sintonia com o Plano Maior, como acima asseveramos.

2) Que não podemos confundir paz com calma, com alívio de tensões, com ausência de conflitos, que são próprios à condição humana, e mesmo desejáveis, de molde a favorecerem o processo evolutivo. A paz é a quietude íntima de quem tem a consciência em paz, de quem cumpre o próprio dever, de quem sente e sabe estar no caminho da Divina Vontade.

Cuidemos de investir no desenvolvimento desta aptidão superior, imprescindível para quem almeja aproximar-se da plenitude, da realização pessoal completa, além da que pode ser ofertada meramente pelas atividades e triunfos profissionais, afetivos ou sociais, embora estas três dimensões da vida possam estar inclusas num projeto espiritual maior, num projeto vocacional.

E como desdobrar esta realização, galgar esta conquista de vulto? Diremos em dois itens apenas:

1) Prática da oração, sistemática e fervorosamente.

2) Desapego dos reclamos do ego, com correlato esforço em focar a mente no espírito de generosidade e de solidariedade cristãs. Através da prece e da fraternidade, na máxima medida que possamos vivenciar no dia-a-dia, lograremos este intento de vulto e seremos progressivamente mais felizes, seguros, sábios e pacíficos.

(Texto psicografado por Benjamin Teixeira, na reunião mediúnica fechada do dia 25 de abril de 2006. Revisão de Delano Mothé.)




Cadastre-se e receba mensagens por e-mail: