Espírito Eugênia-Aspásia

21 de setembro de 2005
 

Falando com o Senhor.

Benjamin Teixeira
pelo espírito
Eugênia.

Veja como o Evangelho de Nosso Senhor muitas vezes dispensa comentários. Leia e sinta, reflita e aplique, mas aplique mesmo, e estará a caminho da Luz. Orar, orar sempre: eis o princípio. Invocar a inspiração do Senhor, antes de qualquer atividade, e a enxertia sagrada jamais nos faltará.

Transcrevemos, abaixo, do capítulo 7 do livro de Mateus, os versículos 7 a 11, e, em seguida, o 1º versículo do capítulo 18 da obra de Lucas:

“Pedi e dar-se-vos-á. Buscai e achareis. Batei e se vos será aberto. Porque todo aquele que pede, recebe. Quem busca, acha. E a quem bate se abrirá.
Quem de vós dará uma pedra ao filho, se este lhe pedir pão?
E, em lhe pedindo um peixe, dar-lhe-á uma serpente?
Se vós, pois, que sois maus, sabeis dar boas coisas a vossos filhos, quanto mais vosso Pai celeste dará boas coisas aos que lhe pedirem.”
(…)
Jesus então lhes propôs uma parábola, para mostrar que é necessário orar sempre, sem jamais deixar de fazê-lo.

Sinta-se, amigo, acompanhado sempre pela Presença do Criador. Nunca você está realmente só. Comece seu dia com uma prece, e repita a evocação da Divina Assistência quantas vezes se lhe parecerem necessárias. Considere tal prática como natural e simples. Desenvolva intimidade com Ele. Não imagine que precisa de uma fé perfeita ou de uma concentração excepcional para estabelecer uma conexão o Ser Supremo do Universo. Sendo Ele o Absoluto, não precisa de sua ajuda para que ouça suas orações, nem tem limites para não poder ouvi-las, por “estar muito ocupado com coisas mais importantes” (este é um pensamento de humano: de limite). Não tendo limites, ouve-o, mesmo que seja um verme no ventre da Terra, tão importante para Ele como a galáxia mais gigantesca.

Não se preocupe em seguir rituais tradicionais ou em obedecer a métodos complicados de sintonia. Converse com Ele, tão-somente, com sinceridade e espontaneidade, e esteja certo de que estará sendo ouvido, e atendido: Deus sempre atende às nossas súplicas, e se não da forma que esperamos, de outras muito melhores, em considerando nossos reais interesses, para agora e para a eternidade.

Mas cuidado com o que pede, e como pede, pois o conteúdo de seus desejos e a forma como supõe que obterá sua realização definem sua vibração e, com ela, sua necessidade real, que é sempre vista por Ele em primeiro plano. Tranqüilize-se, confiando irrestritamente n’Ele: Ele já sabe o de que precisa. E, por fim, faça a sua parte, não esperando que as “coisas caiam do Céu”, porque o Pai Celeste, se você for negligente, pode presenteá-lo com uma não-resposta, para que se esforce e cresça.

Assim, com serenidade e ação, oração e entrega, os mais complexos problemas se dissolverão e as realizações mais impressionantes tornar-se-ão exeqüíveis.

(Texto recebido em 21 de setembro de 2005.)




Cadastre-se e receba mensagens por e-mail: