Espírito Clóvis

27 de outubro de 2001
 

Doutores de Outrora… Mestres de Sempre.

Conheci, em vida, a Engenharia dos homens. Quisera eu haver compreendido, enquanto no corpo físico, que a Engenharia Divina é muito mais complexa, em cálculos que jamais abrigam erros, em estruturas que jamais dão espaço a falhas.

Clóvis Mozart Teixeira
(Engenheiro Civil)


Tive sempre enorme reverência pelo Divino, mas não imaginava que Sua intervenção no plano material e sobremaneira no orgânico fosse tão grande. Hoje lamento ter seccionado Medicina e sentimento místico-religioso em duas categorias distintas.

José Machado de Souza (Dr. Machado).
(Médico Pediatra)


No tempo de minha última vilegiatura carnal, era elegante e douto ser materialista. O ateísmo era a postulação filosófica dos homens instruídos e lúcidos. Religião era campo de atuação de mulheres ou idiotas, quando não de vigaristas inteligentes. Lamento não ter tido acesso à magnífica Doutrina dos Espíritos, que já grassava pela Terra, em seus primeiros albores, por aqueles dias. Hoje compreendo, no entanto, que nada acontece fora da previsão divina, de modo que precisei errar brilhantemente, para acertar com ainda maior brilho, numa próxima reencarnação, em que poderei propugnar, tão ardentemente como meu espírito deseja, os ideais da Lei e do Direito, na perspectiva grandiloqüente da imortalidade.

Tobias Barreto
(Advogado)


Tateávamos às escuras, no universo do poetismo sem alma. Dobrávamos e desdobrávamos o cosmo inteiro, à busca de uma partícula de esperança, mas não encontrávamos, a não ser o nada e a dor. O tormento de minha arte desalmada foi me matar o espírito, enquanto ainda no corpo, para apenas descobrir quão equivocado estava, tarde demais, após ter dado cabo da própria vida.

Hermes Fontes.
(Poeta)


Pude ser tudo de tudo, na plenitude da condição humana. Mulher, profissional, mãe (criei dois sobrinhos), espírita. Militei em diversas áreas concomitantemente, apesar de ser alcunhada de louca por muito de meus coevos, vista como esquisita ao menos, pela maioria dos que comigo conviveram, principalmente pelo fato de reverter todos os meus recursos materiais para obras assistenciais em minha terra. Embora no tempo de minha última encarnação, raras mulheres tivessem acesso às lides do saber, diplomei-me em Odontologia, em plenas terras provincianas de Sergipe dEl Rei do início do século XX. Voltei como vitoriosa, após meu decesso carnal, agradecendo, com veemência, ao Espiritismo bendito que me bafejou o cérebro e acalmou o coração, durante minha passagem pelo mundo das trevas, apontando-me os rumos do infinito e da felicidade eterna. Foi o Espiritismo que me deu forças para ser e me tornar tudo que poderia, potenciais esses que, muito provavelmente, seriam sufocados pelas circunstâncias sócio-culturais da época e lugar em que vivi. Não me tornei celebridade, nem pude fazer tanto quanto gostaria, porque o meio não me dava espaço a muitas expansões; mas, dentro do possível, fiz mais do que se esperava de mim, e voltei, gloriosa, para a Outra Dimensão da Vida.

Laura Amazonas.
(Odontóloga, Ativista Social, ESPÍRITA).

(Textos recebidos pelo médium Benjamin Teixeira, em 18 de outubro de 2001.)




Cadastre-se e receba mensagens por e-mail: