Espírito Demétrius

3 de abril de 2001
 

Reflexão Matinal – 13.

Ande sobre os cadáveres de suas decepções, como andaria por cima de tijolos empilhados na construção de um edifício: com a frieza de quem encara um fenômeno natural e necessário. É sobre os alicerces da experiência e da maturidade adquiridas nos erros que se atinge a excelência do acerto.

Temístocles.

A sua tristeza fala de uma alegria não aprendida. Tome lições com ela, para que aprenda a ser feliz.

Demetrius.

O lodaçal da angústia revela uma alma em falta. Procure, criteriosamente, onde reside o foco de sua perturbação e extraia-o de sua psique, erradicando-o das profundezas de sua alma. Corrigido o erro, a paz retornará à sua alma. Lembre-se, todavia, de que o erro normalmente é muito mais de omissão do que de más ações.

Gustavo Henrique.

Ser polemista é querer pensar, falar e agir do contra só por ser do contra, afirmando-se pelo negativo. A controvérsia saudável, porém, é a fidelidade inexpugnável à coerência íntima, ainda que isso custe criar transtorno na relação com forças externas.

Temístocles.

O seu coração é terra de ninguém, onde Deus anda. Não suponha que tenha dono, tanto quanto você mesmo não pode possuir ninguém. Sempre que pensar em si, visualize-se como um patrimônio divino, estando no mundo a Seu serviço, na pessoa de Suas criaturas. Dessa forma, tornará sua existência muito mais plena e próxima da completa felicidade.

Brígida.

Deixei duas filhas no mundo e foi difícil desapegar-me delas. Descobri, mais tarde, porém, que tinha como filhos os seis bilhões de habitantes do planeta, ainda que não os possa conhecer nem servir a todos.

Selma.

O que você faria se hoje fosse o seu dia de morrer? Se morresse agora, o que mais lamentaria não ter feito ou sido, sentido ou falado? Pois isso faça. Talvez amanhã, talvez ainda hoje seja o seu dia…

Anacleto.

O que você diria a alguém que ama ou considera, se soubesse que amanhã seria o dia da fatal partida dela? Pois isso faça, hoje, agora ainda. Porque, como diz a letra de música popular brasileira: É preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã. Porque, se você for parar para pensar, na verdade não há. Ou seja: em outras ocasiões, ainda que estejam ambos vivos no corpo, as circunstâncias, as oportunidades e mesmo os sentimentos serão outros, e o precioso ensejo de servir, ser útil, dar-se e felicitar terá passado, irremissivelmente.

Anacleto.

(Textos recebidos pelo médium Benjamin Teixeira, em 3 de abril de 2001.)




Cadastre-se e receba mensagens por e-mail: